[:pb]R.I.P. Assessoria de Imprensa[:]

20/02/2017 por Gisele Lorenzetti

[:pb]A LVBA Comunicação convida os empresários e profissionais de comunicação corporativa para o ato de reflexão sobre a morte da assessoria de imprensa, ocorrida há alguns anos e que ainda assombra a muitos que relutam em acreditar que não há vida além da boa e velha assessoria de imprensa.

R.I.P.

Quem pensa que o mundo corporativo é lógico, exato e matemático, está completamente errado. Tai um mundo cercado de crendices, folclores e tradições.

O leite com manga, no mundo corporativo equivale à crença que assessoria de imprensa é um remédio para todos os males.

Fomos citados na Operação Lava Jato! Chama a assessoria de imprensa! Lançamento de produto? Cadê a turma da assessoria? Contratamos uma super subcelebridade para ser a personagem da nossa campanha. Uau!!! Isso vai dar capa de Veja! E a nossa campanha interna para a semana de prevenção de acidentes? Notícia, na certa. Afinal, trouxemos o maior especialista europeu em risk management para palestrar para a equipe. Será que não entra no Jornal Nacional? Estamos completando 520 anos de atuação na Índia e o CEO Mundial estará no país na semana que vem e quer dar uma entrevista para comentar este marco. Vamos fazer uma coletiva de imprensa! Oi?

O que mais me impressiona é que quem encomenda trabalhos de assessoria de imprensa não consome mídia. Adoro perguntar para os executivos que estão contratando serviços de assessoria de imprensa como eles se informam, o que assinam, quais seus hábitos de leitura. Facebook é a resposta mais frequente. Ai pergunto por que ele acha que seu público é diferente dele, que consome outras mídias? A resposta é: a empresa quer estar na imprensa. Nova pergunta: qual a expectativa de exposição da “empresa”, este ente superior? Estar no Valor, O Globo, Folha de S.Paulo, Estadão, Veja e Exame.

Ou seja, toda empresa quer estar nas páginas do Valor, O Globo, Folha de S.Paulo, Estadão, Veja e Exame. Nos últimos cinco anos, estes veículos reduziram mais de 50% a quantidade de suas páginas. Isso também se reflete nas edições e conteúdo online. Assim, podemos concluir que todas as empresas estão se digladiando pelos espaços cada vez mais reduzidos.

“Empresas”, por favor, entendam que investir em relações com a imprensa continua sendo importante. Tem relevância. Mas não apostem todas as fichas nisso. Apostem em ações de relacionamento com seus públicos de interesse. Acreditem que essas ações trazem resultados mais efetivos ao negócio.

Num próximo artigo farei uma provocação: como as “empresas” podem estar na imprensa, apesar da morte da assessoria. Aguarde! E, enquanto isso, dê uma olhada em outros mitos que assombram a nossa comunicação.
[:]