A gente se adapta a tudo

Para isso, a gente vive de aprender, desaprender e reaprender. É possível. Principalmente quando o que está em jogo é a sustentabilidade das nossas vidas.

Esta semana é marcada por um ano de home office integral da LVBA. Já tínhamos um sistema híbrido antes, o que nos preparou, parcialmente, para esta fase. Me lembro de fechar as portas do escritório, no final do dia 18 de março de 2020, e com o coração apertado comentei “e pensar que a gente não deve voltar a se encontrar antes de 30 de abril, né”. Errei feio!

Jamais poderia imaginar que chegaríamos a um ano (e contando). E pensar que, nem em 30 de abril de 2021 vamos nos encontrar!

Foi uma decisão fácil? Não. A incrível equipe da LVBA tem características muito fortes: gosta e aproveita as companhias, as conversas, os almoços em turma e até as boas ideias de projetos que surgiam nos encontros no cantinho do café com bolo. Aproveitávamos cada minuto na nossa agência física.

A decisão aqui não foi entre um ou outro sistema de trabalho. Foi pela vida! De lá para cá, estamos mais unidos, ainda que distantes, com o objetivo de sobreviver, de cuidar uns dos outros, dos nossos familiares, e dos nossos queridos clientes. Enfim, de servir como exemplo, e também influenciar a sociedade.

E os processo de seleção e contratação virtuais? Humildemente posso dizer: mandamos muito bem. E quem pode me ajudar nessa avaliação são Cíntia Neves Silva, Heloizi Parra, Lucas Fernandes, Marize Vossen e Vanessa Aguiar. Muito bom tê-los por perto, mesmo que sem nunca tê-los abraçado “de verdade”.

E a LVBA como fica? Uma empresa com a experiência de mais de 4 décadas tem no DNA a adaptabilidade, se não, dificilmente teríamos chegado até aqui.

Agradeço a cada “LVBAne”, que mostra sua força todos os dias, em se manter são em meio à toda essa loucura, gerando resultados de alto nível. Tenho muito orgulho de cada um de vocês. E também a nossos clientes e parceiros que seguem confiando em nosso trabalho, mesmo num cenário tão desafiador.

Estamos unidos, estamos com saúde e fazendo nossa comunicação cada vez mais de gente para gente.

Por isso, se puder, #FiqueEmCasa! Ainda vamos precisamos muito disso e, com certeza, vamos precisar por mais alguns meses. Pela vida, vale a pena!

Elon Musk, Tesla e a arrogância e o negacionismo da importância do bom relacionamento com a imprensa

Na última semana, o CEO da Tesla, empresa de carros elétricos, anunciou o fim do departamento de Relações Públicas, alegando não precisar mais se relacionar com a imprensa. Com isso, a montadora passa comunicar-se por meio de suas mídias sociais e do próprio Elon Musk , que somente no Twitter, somam 45 milhões de seguidores. Este modelo soa familiar, quando pensamos em líderes políticos que criaram barreiras com a imprensa por medo de repercussões negativas. Mas será que, assim, estão de fato protegendo-se de publicações contrárias ao que defendem e acreditam?

A importância de uma equipe de relações públicas, principalmente para uma empresa de alta inovação e influência como a Tesla, é inegável. Este conceito vai muito além de imprensa. Trata-se de um relacionamento de comunicação com todos os steakholders, cada um com sua linguagem específica, visando a construção e a manutenção da reputação. Jornalistas são key opinion leaders. Boas matérias jornalísticas apresentam o contraditório que é essencial para a formação de ideias e conceitos. Desprezar o valor da imprensa é um sinal de falta de transparência e, obviamente, arrogância.

E, quanto mais analisamos crises corporativas, mais vemos que a arrogância é sempre um dos principais gatilhos para elas. “Isso jamais acontecerá com a nossa marca”, é quase um mantra dos executivos que se tornaram protagonistas das grandes crises. Aliás, como será a gestão de crises na Tesla sem seus profissionais de PR?

Entretanto, especificamente o relacionamento com a imprensa, dá à empresa o poder de uma comunicação mais humana e efetiva. Em mídias sociais, as informações publicadas, ainda que possam ser consideradas oficiais, estão abertas à interpretação e podem também ser usadas de forma positiva ou negativa, com a livre interpretação de veículos que não terão acesso a um departamento de relacionamento oficial da empresa à disposição para esclarecer possíveis dúvidas.

Ainda é cedo para mensurarmos os prejuízos que esta decisão pode trazer à reputação da Tesla, mas pelos nossos quase 45 anos neste mercado, a experiência mostra que fechar portas de comunicação e deixar de ouvir opiniões diferentes da sua são ações contrárias ao processo de inovação. Isso pode ser fatal à um negócio. Afinal, como mostra esta matéria publicada pelo PR Daily, “… o profissional de RP que pode oferecer toda a amplitude de sabedoria e conselhos para sua organização sempre será um ativo crucial para marcas que estão dispostas a investir”.

Leia na íntegra: https://bit.ly/34kTwUX

LVBAção do bem: união e apoio aos idosos da Unidade de Acolhimento CAE Idosos Casa Verde, em São Paulo

Apesar de estarmos na era da tecnologia, acreditamos que nada substitui a inteligência e as emoções humanas. Por isso, há mais de 4 décadas, nós da LVBA Comunicação trabalhamos a comunicação de gente para gente.

Este contato próximo nos fez comprovar que o ser humano por si só é generoso. E nossa equipe não foge a esta “regra”. Diante da crise de saúde pública atual, nos unimos para aceitar o convite de abraçar uma nova causa; um compromisso social do qual nos orgulhamos.

A Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (ABIAD), uma de nossas clientes, nos chamou para integrar uma rede de entidades que, em apoio ao Ministério da Cidadania, visava auxiliar idosos fazendo doações para as chamadas Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPIs). Convite aceito. A partir daí, desenvolvemos um projeto interno na agência que começou com a busca de uma entidade para apoiar, por meio de votação envolvendo toda a nossa equipe. A escolhida foi a Unidade de Acolhimento CAE Idosos Casa Verde, em São Paulo.

O segundo passo foi entrar em contato com a unidade de acolhimento para checar suas necessidades. Depois disso, sensibilizamos nossa equipe para que mobilizasse sua rede de relacionamento pela participação de nossa “vaquinha”, que foi um sucesso. Com 100% de adesão do time e a colaboração inclusive de outros clientes, em cima do valor arrecadado, a LVBA doou, ainda, mais 50% do valor. E o resultado foram 617 produtos de higiene e limpeza – necessidade primordial apontada pela própria unidade Casa Verde, que auxilia 60 idosos e conta com uma equipe de 20 profissionais.

Mas, não paramos por aí. Como pensamos de gente para a gente, estendemos nossa ação também para as pessoas na instituição que cuidam e atendem com dedicação aos idosos, dia após dia. Quisemos proporcionar um carinho aos colaboradores da CAE. Aqui, destacamos mais um ponto importante para nós da LVBA, outra causa que abraçamos é o incentivo ao pequeno comércio, por isso, priorizamos pequenos empreendedores. Sendo assim, contratamos os serviços de Thuane Nunes, que, além de nossa Diretora de Arte, acaba de montar o “Ateliê Quero Doce”, que ficou responsável por entregar 20 kits de sobremesa para os profissionais da casa de apoio. No total, foram 40 tortinhas banoffee e de limão nos kits recebidos com muita emoção, surpresa e alegria pelo staff da Unidade Casa Verde. O que nos deixou imensamente felizes.

Sobre a ação, Gisele Lorenzetti, CEO da LVBA, comenta: “em síntese, atuamos em rede. O primeiro pontapé veio do cliente. Daí em diante, fizemos nossa parte com muita mobilização, envolvimento, escuta e valorização dos nossos recursos. Somos um grupo de profissionais muito felizes e colocamos em prática tudo o que oferecemos aos clientes, mostrando que se trata de crenças e de propósitos reais. Comunicação é isso: ter valores nas veias”.

No fim, este é apenas o começo. A necessidade de diversas ILPIs cresce em momentos de crise, assim como a nossa união. Por isso, caso queira conhecer a lista completa de ILPIs que precisam de apoio, clique aqui e escolha uma para ajudar. Para conhecer o CAE Idosos Casa Verde, veja as informações abaixo.

Juntos, fazemos toda a diferença!

 

Sobre a Unidade De Acolhimento Cae Idosos Casa Verde

Endereço: Rua Antonio Vera Cruz 213, Casa Verde – SP / Cep: 02.555-010

Ponto de referência: Travessa Rua Zilda

Telefone: (11) 2384-4125

Email: caeicasaverde@santaluciasp.org

Este é um abrigo institucional municipal de cunho não governamental. Nele, estão abrigados 60 idosos, aos cuidados de uma equipe de 20 colaboradores, que se dedicam sete dias por semana.

Envio de mensagens sem estresse

“Comunicação não é o que você fala, é o que o outro entende”.

Com o distanciamento social e o trabalho remoto, estamos utilizando ainda mais aplicativos de mensagens e e-mails. Considerando que a comunicação, além das palavras, inclui tom de voz, expressões faciais e linguagem corporal, temos um problema: nada disso aparece em um texto.

Então, como não cometer uma gafe? Faça o download e confira as principais dicas para evitar armadilhas.

ENVIO DE MENSAGENS SEM ESTRESSE

5 dicas para um briefing eficiente

Comunicar é preciso. E quando surge uma ideia ou até mesmo uma oportunidade de inovar na comunicação, precisamos de um profissional de design para deixar o material mais criativo.

Seja para propor uma capa de mídias sociais, um e-mail marketing ou o redesign de sua marca, todo processo criativo tem como ponto de partida o briefing. Pensando nisso, criamos este material com dicas para um briefing eficiente.

Faça seu download aqui

Fazer live virou modinha… de violão

Segundo o Indicador de Confiança Digital (ICD) 2019 da Fundação Getúlio Vargas (FGV), para 41% dos jovens brasileiros, as mídias sociais causam sintomas como tristeza, ansiedade ou depressão. O próprio Facebook tomou providências ano passado e eliminou a visualização de curtidas no Instagram, a fim de tornar o espaço menos tóxico para a saúde mental.

Optar por fazer um detox digital pode ser plausível contra os sintomas citados, mas em momentos de isolamento e mudança de rotina, as mídias sociais são sim uma válvula de escape.

Até dois meses atrás, o brasileiro ouvia música em plataformas como Spotify para se distrair. Em virtude do confinamento social, esse hábito mudou. Com isso, o número de streamings de músicas caiu vertiginosamente.

Em contrapartida, o número de lives aumentou. Interessante notar que o recurso era usado até então apenas por algumas figuras públicas brasileiras – como o próprio presidente.

Nem precisamos de estatísticas para afirmar isso, todos sentimos o impacto em nossos perfis pessoais, principalmente no Instagram.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

São artistas, cantores e público geral fazendo lives para cantar, ler poemas, exercitar-se, contar histórias para crianças, conversar com amigos e compartilhar conhecimento. A geração de conteúdo ao vivo é a mais diversa possível. Com ou sem superproduções.

No quesito superprodução, os cantores sertanejos brasileiros estão à frente, e, inclusive, modificaram o estilo promovido por popstars internacionais ao criarem a “live de sala cheia”.

Pioneiro nesse estilo, o cantor Gusttavo Lima virou case de branding ao bater o recorde brasileiro de acessos simultâneos no YouTube. Foram 750 mil conexões ao mesmo tempo para assisti-lo tocar mais de 100 músicas, em 5 horas de show.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Não bastando o sucesso na plataforma de vídeos, o cantor foi primeiro lugar nos assuntos mais comentados do mundo no Twitter e ficou em destaque no Instagram. Além disso, arrecadou R$ 100 mil e toneladas de donativos para instituições de caridade.

Tamanho êxito o fez programar uma nova live para os próximos dias, agora, inspirada num seriado sucesso de streamings da Netflix, “A Casa de Papel”.

No caso dele, vale ressaltar que os cuidados com relação à Covid-19 foram: redução da equipe de 20 para 5 pessoas e uso de EPIs como máscaras, luvas e álcool gel pela produção.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Se Gusttavo Lima já havia quebrado recordes, Jorge e Mateus foram mais longe: reuniram 3 milhões de pessoas simultaneamente no YouTube (o vídeo do show já soma 39 milhões de views). Por meio de um QR Code, a dupla arrecadou 216 toneladas de alimentos e 10 mil frascos de álcool gel para doar à população carente.

Mas esses números estrondosos vieram acompanhados de polêmica: uma foto dos bastidores publicada no Twitter demostrou que o evento feito por conta da quarentena acabou promovendo aglomeração de pessoas. A transmissão teve cerca de 4h30 e, segundo a assessoria dos cantores, contou com uma equipe de 18 pessoas, mas em revezamento, e teve até garçom para servir os presentes. Todos estavam de luvas, máscaras e o local estava com vários frascos de álcool gel.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Na contramão da moda de aproveitar a quarentena para fortalecer presença e repertório musical nas mídias sociais, Anitta afirmou que não fará lives para evitar polêmicas. Segundo ela, se não apresentar uma superprodução, as pessoas reclamarão. E se chamar uma equipe para entregar uma live maravilhosa, com cenário e luz, será fortemente criticada por furar o isolamento. Belo exemplo de social listening.

Por falar em listening de mídias sociais, há quem torça o nariz para o excesso de lives acontecendo atualmente.  E existe quem apoie, já que todo mundo tem o direito de lidar com o confinamento como quiser, inclusive fazendo uma live.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Em minha opinião, quanto mais gente engajada digitalmente, melhor. Seja produzindo ou consumindo conteúdo, todos temos a ganhar. Ainda mais se o objetivo for diminuir sintomas como tristeza ou ansiedade trazidos pelo isolamento social.

Em vez de perder tempo cancelando pessoas por preferir um mundo com menos transmissões ao vivo, é preferível usar a internet com consumo de conteúdo relevante para você.

Afinal, nesse caso, seria melhor não se ver representado nos famosos versos cantados por Elis Regina “é você que ama o passado e que não vê que o novo sempre vem”.

Aceite que nada mais será como antes e siga exercendo o direto de assistir ou não a live que acontecerá no próximo minuto em qualquer umas das mídias sociais.

10 dicas valiosas para uma videoconferência profissional

Reunião agora só virtual! As relações corporativas estão ainda se adaptando ao novo cenário no Brasil e no mundo, em virtude do novo coronavírus, causador da Covid-19.

A videoconferência é uma das principais formas de comunicação, uma vez que permite aos envolvidos se verem, ouvirem e discutirem assuntos relevantes à empresa em tempo real. Mas, para que a videoconferência seja um sucesso, alguns cuidados são essenciais.

Clique e baixe o material gratuito com os 10 principais pontos de atenção e os principais aplicativos para reuniões virtuais:

10 DICAS VALIOSAS PARA UMA VIDEOCONFERÊNCIA PROFISSIONAL

 

Tem algo a dizer? Faça um vídeo!

A rotina mudou. Em virtude do novo Coronavírus (Covid-19), as relações se tornaram mais virtuais, por motivos de segurança e saúde pública. A comunicação continua sendo essencial e não pode parar. Em pleno 2020, nossa maior aliada é a tecnologia e, com ela, podemos nos expressar de diversas formas, incluindo a produção de conteúdos em vídeo.

Para gravar seu vídeo de forma eficaz, existem alguns cuidados importantes. Clique abaixo e faça download gratuito do material completo para produzir conteúdos em vídeo de forma eficaz:

TEM ALGO A DIZER? FAÇA UM VÍDEO!

Um convite a sermos resilientes

Há tempos temos falado muito sobre transformação digital, mas agora, devido à pandemia do Covid-19 e as recomendações de isolamento social, isso deixou de ser uma opção para virar necessidade. E, para aquelas empresas que estavam engatinhando nessa transformação, o atual momento talvez seja a oportunidade que faltava para que acelerem o processo.

Nesse caso, porém, a empatia, compreensão e gentileza (sim, sejamos gentis!), entre gestores, colaboradores e clientes será fundamental. Isso porque, antes de implementar qualquer estratégia digital, é preciso investir em uma mudança cultural dentro da organização. E, para essas empresas, não houve tempo para isso, não é verdade!

Sendo um pouco a Poliana, de Eleanor H. Porter, muitas das ações agora serão implementadas na base da tentativa e erro, mas muitas soluções criativas e inovadoras também podem surgir em meio ao caos. Não permita que a crise roube sua criatividade, aprenda a utilizá-la a seu favor.

Será primordial sair da zona de conforto e pensar em novos meios de comunicar, novos formatos de venda, canais, produtos e serviços que façam com que a organização passe por esse momento com o menor impacto negativo possível.

Independentemente do que acontecer, a experiência que vivemos agora fará com que a sociedade adote novos hábitos e comportamentos que irão mudar a forma como pensamos as empresas e os negócios. Isso é fato, mas não precisa ser um desespero.

Engaje seus colaboradores, ouça os seus clientes, convide todos a pensarem em como ser resilientes nesse momento. Assim como na história de Eleanor Hodgman Porter, “quando a meta é aproveitar o melhor da vida, olhá-la pelos olhos de Poliana pode ser um primeiro passo”.

 

“Quando Eleanor Hodgman Porter escreveu Poliana, em 1913, a ciência ainda não conhecia os efeitos positivos do otimismo na saúde física e mental das pessoas. Mas a sua receita de bem-estar permaneceu na lista dos livros mais vendidos por dois anos seguidos, e até hoje continua sendo uma fonte de inspiração para todas as idades. À época, como agora, Poliana foi descrita como dotada de um otimismo cego. A essa crítica, Eleanor teria respondido: ‘ Nunca acreditei que deveríamos negar o mal, a dor e o desconforto; apenas pensei que é muito melhor saudar o desconhecido com alegria’. Quando a meta é aproveitar o melhor da vida, olhá-la pelos olhos de Poliana pode ser um primeiro passo”.

Poliana; Porter, Eleanor H
Fonte: Livraria Saraiva

A tecnologia se mostra ainda mais necessária em momentos de crise

Todas as conversas, perguntas e buscas atualmente giram em torno do avanço na luta contra a COVID-19. Todos estamos preocupados com a saúde e o bem-estar de nossas famílias, amigos e comunidades.

A tecnologia nunca foi tão importante neste contexto. A comunicação por meios digitais se mostrou relevante para toda essa situação crítica e complexa que o mundo está enfrentando – desde o uso para serviços de emergência, até para entregas de alimentos, passando por milhões de pessoas trabalhando remotamente (Home Office). Além disso, se mostrou essencial para manter o contato entre as famílias, conectando entes queridos em torno de um afeto a distância, seja por meio de entretenimento, solidariedade ou mesmo no compartilhamento de informações e na educação.

O ser humano precisa manter o contato próximo com outras pessoas e a tecnologia tornou-se a grande aliada, com seus canais vitais de comunicação, em uma crise mundial sem precedentes.

O mundo nunca esteve tão unido e tão conectado, mesmo com a distância física.

As pessoas aproveitam para refletir também em como podem ajudar nesses tempos de crise mundial. Algumas atitudes simples podem ser feitas por nós, como manter o pagamento das diaristas mesmo liberando-as para ficarem em suas casas (o mais sensato a fazer). Ou mesmo ofertando um valor maior para os entregadores de supermercados e restaurantes.

De acordo com um estudo do Youpix, sobre o impacto do coronavírus no mercado de influência, muitas pessoas irão recorrer aos “creators favoritos” para obter novos conteúdos nas próximas semanas. É importante repensar sobre como temos disseminado informação correta para nossos seguidores. Ajudar a reduzir a transmissão do vírus e das fake news, e mais importante ainda, ajudar o povo a sair dessa quarentena com a saúde mental em dia.

Um exemplo bem legal, que merece compartilhamento, é de um cliente, a Nokia, que acaba de lançar um Fundo de Doação Global Coronavírus.

Este fundo, conforme explica o CEO da companhia, destina-se a apoiar instituições de caridade, hospitais, clínicas de saúde e outras organizações não-governamentais da linha de frente que estão liderando a luta contra a COVID-19 e tentando mitigar seu efeito sobre as comunidades. Outras empresas também estão fazendo sua parte, seja abrindo seus conteúdos para que as pessoas possam ter informação confiável, ou ainda oferecendo entretenimento para as famílias sobrevirem com seus filhos, sem tédio, em casa. Museus mundo afora possibilitando visitas virtuais e cursos gratuitos disponíveis para todos são outras opções.

É o mundo se unindo para salvar vidas.

Não tenho dúvidas que estaremos mais fortes e cheios de aprendizados depois dessa crise.

Vamos juntos enfrentar esse momento difícil com criatividade. Faça a sua parte e compartilhe o seu conhecimento e suas dicas também.